Altas temperaturas aumentam risco de estresse térmico e prejudica desempenho dos bovinos

Vacinas

Em junho, no auge do verão norte-americano, ocorreu no estado do Kansas um incidente alarmante: cerca de 10 mil cabeças de gado em confinamento sucumbiram devido ao estresse térmico, segundo a publicação especializada Progressive Farmers. “Dado que os bovinos mantêm a homeostase, ou seja, são capazes de manter a estabilidade corporal, qualquer variação climática afeta diretamente seus processos metabólicos. Temperaturas superiores a 30°C podem resultar na diminuição da produção de leite, queda da fertilidade e comprometimento na qualidade da carne”, afirma o médico-veterinário Thales Vechiato, gerente de produtos para animais de produção da Pearson Saúde Animal.

 

Vechiato explica que “o estresse térmico é uma resposta fisiológica do organismo animal a variações nas condições ambientais – seja pelo excesso de calor, frio intenso, alta umidade ou exposição à radiação solar extrema. Quando a resposta fisiológica não é suficiente, podem ocorrer sérios danos à saúde do gado.”

 

O especialista da Pearson alerta que “o estresse térmico não é exclusivo do calor, pois temperaturas abaixo de zero também desencadeiam problemas aos animais. Quando expostos a longos períodos de sensação térmica próxima a 0°C, os bovinos experimentam aumento na assimilação dos alimentos, contração de vasos sanguíneos e, até, congelamento de partes do corpo, como testículos, tetas e orelhas.”

Os bovinos sob estresse térmico no calor apresentam respiração ofegante, aumento dos batimentos cardíacos, sudorese intensa e alterações comportamentais, como procurar por sombra e água. Já no frio, observa-se perda de peso devido à queima de energia para manter a temperatura corporal.

 

Embora o clima seja incontrolável, os pecuaristas podem tomar algumas medidas preventivas, como adaptações no sistema de produção (monitorar a temperatura, proteger contra ventos frios, manter áreas secas e limpas, oferecer sombra e garantir acesso constante a água fresca). Além disso, recomenda-se utilizar suplementação para evitar perda de rendimento. “A suplementação mineral é uma importante aliada do pecuarista no confinamento, pois comprovadamente proporciona rápido ganho de peso, além de possibilitar adaptação ao ambiente de forma mais ágil e aceleração do metabolismo, índices normalmente afetados durante climas extremos”, explica o médico-veterinário.

 

A Pearson oferece Aminofort, revitalizante e estimulante que, “em média, gera ganho diário de 40g a 120g. Descontado o rendimento de carcaça, o aumento mensal é de 6kg”, destaca Thales Vechiato. “Trata-se de um importante suplemento para ajudar os bovinos quando eles mais precisam ganhar peso e contribuir para a rentabilidade do confinamento ou animais mantidos a pasto, seja bovinos de corte ou leite. Adicionalmente, proporciona aos animais mais condições de enfrentar as adversidades do clima”.

Vacinas

Compartilhe

Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Feito com muito 💜 por go7.com.br