Vacina

Café Robusta Amazônico é elevado a patrimônio cultural e imaterial do estado de Rondônia

Vacinas

A qualidade sustentável e a valorização do Café Robusta Amazônico o tornaram Patrimônio Cultural e Imaterial do Estado de Rondônia na quinta-feira (4). Com a Lei nº 5.722, sancionada pelo Governo do Estado, o grão tradicional conquistou mais um importante reconhecimento da marca, o que fortalece as políticas públicas de incentivo para o cultivo do produto.

A Lei foi aprovada por unanimidade na Assembleia Legislativa do Estado de Rondônia (ALE/RO), baseada na preservação do produto pelo Estado, em parceria com centenas de produtores rurais que fazem o cultivo de geração em geração. Outro ponto fundamental para o feito, é a notoriedade que o café vem ganhando, por meio de premiações e reconhecimentos nacionais e internacionais, além de alcances expressivos na produção.

Para o governador em exercício, Sérgio Gonçalves, o Executivo Rondoniense caminha junto aos agricultores, promovendo a cafeicultura por meio de diversas ações. “São muitas políticas públicas que já foram desenvolvidas para atender o Agro, principalmente na produção do Café Robusta Amazônico. É uma honra dizer, agora, que este produto é nosso patrimônio, graças às ações do Governo, em parceria com o Poder Legislativo e os 52 municípios”, declarou.

A potencialidade da espécie tem refletido especialmente no crescimento econômico, considerando o trabalho árduo de muitos cafeicultores na linha de frente. De acordo com o Informativo Agropecuário de Rondônia 2023, o Estado tornou-se o 2º maior produtor de Café Robusta do Brasil, com produção média de mais de 194 mil toneladas. Além desse ranking, o grão ganhou outras notoriedades marcantes com o incentivo do Estado.

A coroação deste título é resultado da atuação de produtores rurais e do Governo do Estado que garantiram diversas iniciativas de fomento, a exemplo da realização do 8º Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café de Rondônia (Concafé) que, somente no ano passado, entregou mais de R$ 264 mil em prêmios para os vencedores. Houve, também, outros eventos que levaram produtores rondonienses a subirem ao pódio nos últimos anos.

PREMIAÇÕES

Recentemente, no Estado, tivemos campeões nacionais e internacionais do segmento, reunindo conquistas em 1º, 2º e 3º lugares na competição Florada Premiada 2023. Investimentos e qualidade ainda renderam mais vitórias, como a garantia do 2º melhor café do Brasil, do Coffee of The Year, na categoria “Canephora Robusta Amazônico”, ambos eventos realizados em Minas Gerais.

Segundo o presidente da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/RO), Luciano Brandão, está sendo feito um trabalho efetivo para transformar cada vez mais a cafeicultura. “É uma satisfação receber este reconhecimento justamente na data do aniversário do Estado, que se somará a outros. A declaração, aliada ao selo de Identificação Geográfica Matas de Rondônia, agrega ainda mais valor ao café produzido no Estado, que chega ao mercado brasileiro e exterior”, ressaltou.

INVESTIMENTOS

Em conjunto com a Emater/RO, a Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri) incentiva o pequeno produtor de café, por meio de programas de distribuição de mudas, transporte de calcário, fomento com máquinas e implementos agrícolas. No ano de 2023, foram investidos mais de R$ 200 milhões em máquinas, assistência técnica, feiras e exposições, com ênfase à Rondônia Rural Show Internacional, que é uma grande vitrine de comercialização do agronegócio.

Para o secretário da Seagri, Luiz Paulo, o reconhecimento enaltece o esforço dos produtores para melhoria da produção e entrega de um produto de excelência. “O Governo tem cumprido a sua missão principal, com assistência, distribuição de mudas, calcário e incentivos por meio de concursos. Com tudo isso, a entrega dos resultados pelo agricultores tem sido ainda melhor”, acrescentou.

CAFÉ EM RONDÔNIA

O café foi introduzido em Rondônia por migrantes, atraídos pelos projetos de colonização e reforma agrária criados pelo Governo Federal, na década de 1970. As primeiras plantações de café foram estabelecidas com sementes da espécie Arábica, trazidas com a movimentação dos primeiros colonizadores.

Com os migrantes do Estado do Espírito Santo vieram as primeiras sementes da espécie Canéfora, popularmente chamadas de Conilon e Robusta. Pela resistência às condições do relevo e ao clima amazônico, essa espécie prevaleceu sobre as variedades do café Arábica.

A seleção de plantas da espécie Canefóra, potencialmente mais produtivas e de sabor agradável, realizada por produtores e mediante pesquisas, deu origem aos clones que hoje são conhecidos como Robustas Amazônicos. Com o incentivo do Governo de Rondônia, por meio de projetos de revitalização da cafeicultura, prestação de assistência técnica e outros serviços, houve um crescimento que refletiu não só na cultura, mas no desenvolvimento socioeconômico ao longo dos anos.

Vacinas

Compartilhe

Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Feito com muito 💜 por go7.com.br