950x250

Idaron altera exigências em relação ao controle do trânsito de equídeos em Rondônia

Vacinas

A Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia – Idaron editou portaria alterando as exigências em relação ao controle do trânsito de equídeos no Estado. A medida, que atende  as diretrizes do Ministério da Agricultura e Pecuária – Mapa, tem aplicação sobre o controle trânsito de equídeos, ajustando a estratégia de vigilância epidemiológica para mormo – enfermidade infecciosa que afeta principalmente equídeos – e está na lista de doenças de notificação obrigatória da Organização Mundial da Saúde Animal – OMSA.

A nova Portaria altera a Instrução Normativa  nº 6/2018, modificando a definição de caso suspeito e caso confirmado, alterando a  estratégia de vigilância para detecção de animais infectados. Essa alteração está em harmonia com a definição de caso da Organização Mundial de Saúde Animal – OMSA.

O coordenador técnico da Idaron, Walter Oliveira Cartaxo explica a mudança. “Seguindo essa nova condição, não há mais a obrigatoriedade da apresentação de resultado negativo de mormo para a emissão de Guia de Trânsito Animal – GTA de equídeos”, afirmou.

De acordo com a Portaria nº 593 do Mapa, que traz as novas diretrizes gerais para prevenção e controle do mormo no território nacional, a alteração dá-se porque, durante o trânsito há a realização de exames para mormo em equinos sem sinais clínicos da doença, aumentando as chances de reações falso positivas. Com a nova definição, apenas animais doentes serão submetidos a exames laboratoriais pelo Serviço Veterinário Oficial – SVO, o que amplia a especificidade do diagnóstico e reduzir a probabilidade de eutanasiar animais falsos positivos.

“Com essa nova estratégia, é imprescindível que criadores, médicos veterinários ou outras pessoas envolvidas com equídeos, comuniquem imediatamente à Idaron sobre a ocorrência de animais com sinais clínicos de mormo, como febre, perda de apetite, dificuldade respiratória, tosse, descarga nasal mucopurulenta, formação de crostas ao redor das narinas, descarga ocular purulenta e/ou emagrecimento progressivo; nódulos ou abscessos múltiplos nos membros, tórax e abdômen, podem ser observados”, acentuou Walter Cartaxo.

Ao receber uma notificação de suspeita de mormo, o médico veterinário Idaron  irá examinar clinicamente os equídeos e irá colher amostras de sangue daqueles que apresentem sinais clínicos ou patológicos compatíveis com o mormo.

“É importante que todos estejam conscientes que essa comunicação à Idaron é o que vai permitir identificar animais positivos e impedir a disseminação para outros animais e humanos”, destaca o presidente em exercício da Agência Idaron, Licério Corrêa Soares Magalhães.

A medida não descarta, no entanto, a atuação dos médicos veterinários autônomos, que continuam com a permissão de realizar colheita de amostras de equídeos sem sinais clínicos para diagnóstico de mormo, desde que sejam habilitados, e enviá-las para laboratórios credenciados. “Quando os médicos veterinários autônomos ou outros identificarem equídeos com sinais clínicos ou patológicos compatíveis com mormo, deverão notificar o SVO imediatamente”, salienta Licério Magalhães.

Vacinas

Compartilhe

Almi Coelho

Almi Coelho

Este site acompanha casos policiais. Todos os conduzidos são tratados como suspeitos e é presumida sua inocência até que se prove o contrário. Recomenda-se ao leitor critério ao analisar as reportagens. Nós usamos cookies em nosso site para oferecer a melhor experiência possível.

Para mais informações sobre e-mail
[email protected] whatsapp(69)984065272

Comentários

Feito com muito 💜 por go7.com.br